É preciso fazer para as pessoas o que gostaríamos que fizessem por nós. E o que temos feito ?

por Luciana Cristina em 18/11/2013

Para darmos força ao bem, é preciso promover o bem que existe em todos nós!

semeando o bem

 Há quem diga ( e muitas vezes dizemos ) você é bonzinho demais, para não dizer outro adjetivo mais ofensivo.

Pois bem!

Inspirando-se em um trecho de uma música da banda Natiruts que diz o seguinte: “Quem planta preconceito racismo, indiferença, não pode reclamar da violência”.
Então vem a pergunta: O que temos plantado? O que temos semeado?

Precisamos acreditar naquilo que queremos, precisamos dar força a aquele pensamento que queremos que se torne realidade.
E o que queremos? Queremos o bem!

E se queremos o bem, comecemos a partir de agora a dar força ao bem!
Vamos deixar pra trás toda a indiferença que nos desvia do nosso objetivo de fortalecer o bem, vamos acreditar, vamos promover o bem que está pronto para ser feito por cada um de nós, vamos estimular o bem em nós mesmos assim como em nosso próximo!

Segue o relato de Luciana Cristina Santos que teve a oportunidade de presenciar um ato de solidariedade que deu inicio a este artigo:

 
“Ontem tive uma grata surpresa.
Fui ao supermercado depois do trabalho, fiz aquela comprinha legal pra sexta-feira a noite, doida pra chegar em casa e quando chego no caixa, passada toda a compra já… Cadê a carteira??? Procurei feito louca. Fui até o carro, na esperança de achar pelo menos um cartão de crédito no meu casaco que estava no carro e SEMPRE tem um cartão no bolso e… Dessa vez não tinha. Lei de Murphy? Inferno astral (sim, to no inferno astral segundo os místicos)? Não sei. Só sei que mantive o bom humor, afinal não havia acontecido nenhuma tragédia, e voltei ao caixa:
“Moça, é o seguinte: em plena sexta-feira esqueci minha carteira no armário da empresa. Passarei o fim de semana sem minhas compras, sem dinheiro, sem cartão e sem documentos…”
Ela lamentou por mim, tentou me ajudar, mas nada pôde fazer por mim. Para minha surpresa, o casal que estava atrás de mim simplesmente SE OFERECEU PARA PAGAR MINHA CONTA dizendo que eu podia depositar depois! Fiquei espantada, surpresa, e perguntei: “como vocês podem fazer isso por alguém que vocês sequer conhecem?” De tão incrédula eu não queria aceitar, e para maior surpresa ainda, eles insistiram e já foram passando o cartão, dizendo: “Temos que fazer para as pessoas o que gostaríamos que fizessem por nos…”
Agradeci imensamente, pedi o número da conta, um email e celular de contato para avisar quando fizer o depósito (claro que vou fazer, né, gente?? )… E ainda estava passada com essa atitude, até porque tiveram uma paciência imensa enquanto eu tentava achar o cartão!!!
Enviei um SMS depois agradecendo mais uma vez e dizendo que eles já tinham como me cobrar hehehe… E responderam dizendo que não havia o que agradecer, que certamente eu faria o mesmo.
Não sei se eu faria o mesmo. E justamente por isso, a boa impressão minha esta muito acima do transtorno de estar sem a carteira. Pois é, são atitudes como essa que nós fazem ver que existem pessoas boas no mundo, e que no meio de tanta desonestidade, desconfiança e medo… Há quem aja acima disso…
Vocês acreditam nisso??? eu sinceramente não acredito até agora…”
 

E pensando em agradecer, o que deixaria aquele casal que atuou pelo bem, mais feliz ? A resposta é: eles já são felizes. São felizes porque creem em algo, são felizes porque creem no bem, são felizes porque estão Atuando pelo Bem, e para eles como para todos nós que temos a oportunidade de atuar pelo bem, a felicidade já está em nós.

Este ato de solidariedade vai além da ajuda que o casal deu a Luciana, este ato de solidariedade está sendo amplificado por este relato e alcançará muitas pessoas, e as influenciará positivamente a fazerem o mesmo: Acreditar no Bem!